Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

Agora ficas tu

 

Quando eu me demoro a chegar à sala depois do intervalo há sempre alguém a vigiar a porta, uns metros mais à frente, para que os outros escrevam tudo o que quiserem no quadro e a professora não ver.
 
Depois, quando o vigia me vê a aproximar corre para que os colegas tenham tempo de apagar o quadro.
 
E desta vez a escolha recaiu no Nichita. Nichita já fala bem. Já diz “eu percebo”. Já diz “posso distribuir?” (os trabalhos feitos ao longo da semana que precisam de ser arrumados no dossier). Já diz “posso ir eu?” (quando eu peço um voluntário para ir ao quadro.
 
Mas Nichita distrai-se e quando me vê quase em cima dele tem um susto que não consegue disfarçar. Corre à minha frente a gritar “PROFESSORA, PROFESSORA”.
 
Não escrever no quadro na minha ausência é uma regra de sala de aula a fim de evitar conflitos pela posse do giz e do espaço da ardósia.
Antes de eu entrar na sala, entro na casa de banho e conto até trinta. Quando entro na sala, o quadro está limpo, está tudo sentado em silêncio.
 
Olho para o quadro. Olho para eles.
 
- Será que apaguei o quadro antes do intervalo? – pergunto “espantada” porque fica sempre matéria escrita.
 
Ninguém responde. Entreolham-se comprometidos à espera do que virá depois.
 
- Bom! Se calhar apaguei. Filipe começa a ler o texto.
 
E todos abrem o livro aliviados de uma possível punição.
 
No contexto de sala de aula não há receitas para controlar comportamentos indisciplinados mas uma coisa o tempo me ensinou: o castigo só os agrava.

 

 

Leonoreta


publicado por leonoreta às 20:20

link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De almapater a 14 de Junho de 2008 às 10:11
Raramente, o problema de uma resposta problemática, deixa de estar na pergunta que a motivou. Com a agravante, de que... saber compromete. Não, não se trata de olhar o céu e cuspir para o lado. Trata-se tão só, de ter a inteligência de viver na linha que mais auto satisfação garante. Mesmo que essa, não passe de uma imensa e interminável crise de fígado.
QUE, não é o caso do seus meninos cara Leonor. Aí, você é simplesmente genial, no tão bem saber, como a gestão da elasticidade das regras, é o mais eficaz caminho do aprender a ser rigoroso. Só tem autoridade, que sabe não ser autoritário. Que bem vc o faz...


De Arte por um Canudo a 14 de Junho de 2008 às 11:59
Excelente pedagogia Leonor.Não existem receitas para certos comportamentos mas existem regras elaboradas por todos e eles aceitam-nas muito bem.Assim se vai moldando o ser humano e não com o castigo como muitos pensam.Boa semana e tudo de bom


De António a 14 de Junho de 2008 às 21:20
Querida Leonor!
O comportamentos dos grupos é uma coisa interessantíssima, sejam crianças, adultos, homens, mulheres, velhos...
O seu estudo é deveras aliciante mas está longe de ser uma ciência exacta.
Felizmente!

Beijinhos


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds