Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

Ralhar não dói

 

Ensino as vogais, as consoantes, os ditongos, as unidades, as dezenas e as centenas, o “e vai um”, o corpo humano.
E penso… como é que eu aprendi isto tudo? Quero dizer… que método usou a minha professora para me ensinar essas coisas? Porque nessa altura ainda não se falava no lúdico. A didáctica era feita basicamente a reguadas. Estas não eram anti pedagógicas e quem as levou parece exibir uma espécie de orgulho por tê-las levado. Não ficou trauma.
 
Em quatro anos de escola primária levei uma reguada. Injustamente. Deixei cair um lápis a meio de uma explicação da professora.
 
A régua tinha usos muito abrangentes. Além de controlar comportamentos desviantes, de distinguir classes sociais, era também o “apoio educativo” e o “ensino especial”para dificuldades de aprendizagem.
 
Ainda bem que a régua desapareceu dos estabelecimentos escolares pelo seu uso indevido.
 
Contudo, verificando-se actualmente que houve um salto da indisciplina para a violência na escola, que afecta bastante a relação pedagógica, algo mais será preciso que o simples sermão porque ralhar não dói.

publicado por leonoreta às 19:09

link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De António a 18 de Outubro de 2008 às 13:54
Minha querida!

Mudam-se os tempos...mudam-se as vontades!

Eu apanhei pancada de criar bicho.. ah ah ah
Reguadas, bofetadas, puxões de orelhas...
Mas não fiquei traumatizado e acho que me ajudaram a aprender.
Como tu dizes: tenho um certo orgulho em ter apanhado pancada.
Talvez porque também me ensinou a saber sofrer.
E, na vida, há muitos momentos em que sofremos a valer e temos de vencê-los.

Gostei!

Beijinhos


De Arte por um Canudo a 18 de Outubro de 2008 às 16:04
Mudaram-se os tempos e também a vontade de aprender. Também não é preciso muito para aquilo que se exige a uma passagem de ano. Pior é a indisciplina e a violência que parece muito mais enraizada e essa não é ensinada na escola mas levam-na para a escola. São tempos diferentes que o furtuo fará justiça.Bjs


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds