Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 13 de Julho de 2007

Todos os caminhos

No seu escritório, Leonor fita os dossiers abertos ao longo de todo o armário.  Tinham chegado ao fim. Ana vira as folhas pondo tudo de principio novamente para começar um novo ano que começará em Setembro.

 

- Por onde tens andado Ana?

- Eu tenho andado sempre por aqui. Sou uma pessoa de rotinas duras. Faço sempre tudo da mesma maneira sempre as mesmas horas.Quem quiser encontra-me sempre no mesmo lugar.

- Nunca mais te vi.

-Tu és assim, rsss. Easy come easy go.

 

Ana tinha aberto uma gaveta. Tinha começado a terapia das gavetas. Era bom descobrir coisas das quais já não se lembrava mais.

 

- Há quanto tempo não te sentas à janela, descansando os olhos no verde? – perguntou a Ana.

 

- Imenso.Parece que foi ontem. As coisas mudam à velocidade da luz. Em dez anos as coisas mudaram tanto…

- Arrependida?

- Não é arrependimento… é … é pensar que não deviam ter acontecido…

- Mas aconteceram.

- Que algumas coisas aconteceram sem eu esperar.

- A maior parte das vezes é assim.

- Que se não tivessem acontecido…

- Nada teria sido diferente.

- Porquê?- perguntou Leonor curiosa.

- Existem vários caminhos para chegares ao teu destino mas todos vão lá dar.

 

Ana coloca um cd no gravador. A música começa a tocar.

 

“Lord of the Ages came one night…”

 

- Há quanto tempo não ouves Magna Carta?- perguntou a Ana.

- Imenso.

 

Leonor abriu a janela e olhou para o jardim em frente. Estavam alguns galhos da velha árvore caídos no chão derrubados pelo vento.

- Não te preocupes. Estão outros a crescer..- disse a Ana - a natureza sabe o que faz.

Leonoreta

 


publicado por leonoreta às 14:10

link do post | comentar | favorito
|

19 comentários:
De António a 13 de Julho de 2007 às 23:02
Querida Leonor!
Um bom texto servido por um diálogo como poucas vezes usas.
Será que tudo o que nos aconteceu não foi realmente marcante?
Eu não sou determinista: acho que foi!

Beijinhos


De leonoreta a 14 de Julho de 2007 às 12:53
ola antonio
sim, claro que tudo o que nos acontece é marcante na nossa vida. mesmo os casos que consideramos negativos nos ajudam a formar o carácter e o modo como encaramos os acontecimentos futuros. sem duvida.
obrigado pela visita sempre oportuna.
abraço da leonoreta


De António a 14 de Julho de 2007 às 17:37
Só eu é que comento aqui?


De leonoreta a 14 de Julho de 2007 às 21:15
rss
penso que nao. alias, no post anteiror ja comentaram bastantes amigos.
começaram as ferias.
abraço da leonoreta


De António a 15 de Julho de 2007 às 00:32
Então os outros amigos estão distraídos...eh eh.
Boas férias!

Beijinhos


De yuri a 15 de Julho de 2007 às 17:12
"- Existem vários caminhos para chegares ao teu destino mas todos vão lá dar."

Nós é que traçamos o caminho e com ele o destino, não posso acreditar que está tudo escrito. Se assim fosse estaria deitado à espera que o fim chegasse.

Já o tempo que passa sem avisar...


De CARPE DIEM a 15 de Julho de 2007 às 20:39
olá, estou de ferias e distraido o meu miudo vê o "panda" e a minha miuda "companheira da minha vida" traduz em silvos ritmados uma merecida soneca de domingo a tarde, e assim tranquilo tenho tempo para ler este novo blog(para mim). gostei do que li continua a escrever.
abraço
jorge


De sophiamar a 15 de Julho de 2007 às 21:10
Então mudaste-te e eu, distraída, ainda não tinha dado por isso? Ai, Isabel, por onde andas? E não é que esta Ana foi feita à minha imagem e semelhança? Ando um bocadinho triste e cansada mas as férias estão mesmo, mesmo aí. Não vou arrumar gavetas, desta vez. Juro! Quem mais jura mais mente! Dizem-me. Mas ,em breve, vou olhar o verde do campo,com mais atenção, o melro que me visita a toda a hora, o céu azul e , à noite, observarei as estrelas. Eu sei que algumas estão a guardar-me. Olho-as todas por igual. Amiga, gostei tanto do teu post! Vou fechar os dossiers. E não é que vou mesmo! Beijinhos!

P.S Vais mudar de casa, ou manténs o outro apartamento?


De cm a 16 de Julho de 2007 às 18:29
terapia das gavetas...acaso, deriva, sorte e destino...as memórias e os porqués ...saídos das paginas relidas....mas a janela aberta é sempre um caminho para as deixar partir


um abraço


De Lusitana a 16 de Julho de 2007 às 18:52
Bem, em relação a esta frase:

"Existem vários caminhos para chegares ao teu destino mas todos vão lá dar. "

Tenho uma opinião a dar:
Nós podemos pensar como Espinosa, quando esta afirma que tudo está determinado... Assim, esta frase faz todo o sentido. Mas se pensarmos como Jean Paul Sartre que afirmava o homem ao ser livre, podia traçar o seu próprio destino (isto claro para seres racionais, que ñ agem por instinto) essa frase deixa de ter sentido. Pois nós traçamos o nosso caminho, mas o nosso destino, vai ao encontro das opções que tomarmos, não do caminho pré-definido... [espero que estas pessoas não te sejam totalmente desconhecidas]
No entanto, se pensarmos bem, (tal como Espinosa afirmava) desconhecemos as causas que determinam os nossos actos, logo, essas causas desconhecidas, podem-se dever a "ante-causas" determinadas... É uma questão propícia a um grande debate, visto que ninguém consegue descobrir a verdadeira razão ou objectivo da nossa existência...

bjnho *


De leonoreta a 16 de Julho de 2007 às 19:16
ola lusitana.
esperas que essas pessoas nao me sejam desconhecidas. espinosa, o filosofo holandês que por um triz não era portugues nao fosse a expulsao dos judeus por don Manuel, e sartre?
têm-me feito a cabeça em água com as suas teorias desde miuda. mas quem me tramou mesmo a minha vida foi kant com a escolha do bem nua e crua sem olhar a quem.
beijinhos da leonoreta e obrigado pelo teu excelente comentario


De mixtu a 17 de Julho de 2007 às 00:13
as gavetas... não tenho
o recordar...
eu se mandasse probia os putos na primaria de conjugar o verbo no passado e no presente...
só no futuro, que se bem medido tem o tamanho da vida...

ps, se gostaste, é provavel que adores o meu 3º comment, exemplo de amor...

abrazo, amiga e deixa ed ensinar os putos naqueles tempos, :)


De Arte por um Canudo a 17 de Julho de 2007 às 02:24
Mais um excelente post Leonor. A rotina da Ana é como o ciclo da natureza e tudo volta ao principio.Esta é também mais uma fase desse ciclo, o retempero de forças para voltar novamente ao mesmo.Boas Férias.
Leonor:
Quanto ao sapo e a questão que puseste se carregares na tecla Ctrl e ao mesmo tempo nas mensagens consegues apagar muitas em simultâneo. Bjs


De leonoreta a 17 de Julho de 2007 às 09:17
thank you. abraço


De alexiaa a 17 de Julho de 2007 às 20:45
Duma forma simples digo-te que acredito no destino. É uma espécie de todos os caminhos vão dar a Roma…por isso é que não abro gavetas. Por isso e pelo facto de elas estarem atravancadas de lixo...emperraram:)


De APC a 17 de Julho de 2007 às 23:47
É da nossa natureza "devirmos" sem darmos conta. Os momentos em que paramos para apreciar, reflectir e respirar são a coisa boa de um continum cujo avanço não travamos e em parte não dominamos. E a natureza, e a arte... São brindes de vida, regalos intemporais, pedaços de magia que entram por nós adentro e connosco se fundem, tal a fome e a sede de viver com mais sentido(s).
Sentido, o texto. Saudades, tinha. Mudou, o blog... Está bonito! E a tua foto acrescenta-lhe pontos! :-)
Um grande abraço.


De leonoreta a 18 de Julho de 2007 às 15:18
APC!
o teu comentário é um abraço.


De almapater a 18 de Julho de 2007 às 00:33
É!
Fica sempre essa dúvida. Como seria a normalidade, sem o fortuito da anormalidade. Contudo, e paradoxo dos paradoxos, não é a normalidade o somatório de todas as anormalidades? Não é a ausência de normalidades, que se o normal de cada dia?
Ah! Quem em nome do desconhecido, fala do que não deveria ter acontecido?
Bem que lhe digo, boa Leonor; Se cada copo de vida, mitiga a sede que a passagem do tempo, deixa nos cantos dos olhos, permitamo-nos as bebedeiras possíveis, sem temores de ressacas vindouras. Na hora da verdade, o seu sorriso será mais largo, do que, o dos que de si terão pena...

Nota: Lord of the Ages...
A evocação, levou-me ao findar de 1973. Perdido na escuridão da noite, o negrume de Monsanto. Como o desfilar destes tempos, não foi mais, que a sucessão desabrida de desalinhamentos. E como esse som se fez a constante, onde tudo se assumiu variável. Como é estranho este mundo.


De leonoreta a 18 de Julho de 2007 às 15:26
Almapater, que bom senti-lo aqui.
as coisas são de facto como diz: é a normalidade que permite o contrário e pelas anormalidades se opta pelo que se julga ser normal. assim como também é pela rotina instalada que se um dia se pode quebrá-la.
mas, mesmo sendo tudo tão axiomático, questionemo-nos sempre. mais que nao seja, para passar o tempo...

abraço


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds