Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

A magia de uma colher de pau

Professora anos a fio de 3º anos, salvo uma excepção em que, na mesma turma de um 3º ano havia cinco elementos do 1º, vi-me este ano lectivo a braços com vinte miúdos prontinhos a começar a escola.
 
Embora as mesas sejam mais baixas e as cadeiras mais pequenas, as pernas de alguns ainda não chegam ao chão. Oh como é  difícil escrever  vogais direitinhas e do mesmo tamanho nas folhas de um caderno que teima em não se manter aberto tão diferente da folha branca A4 que não tem margens e linhas para obedecer.
 
Mais tarde, anos depois, no fim da escola primária, a parte do caderno que teimava em fechar é presa de forma insolente com o cotovelo enquanto a mão segura a cabeça que já conhece a forma das letras de cor.
 
Muitos não frequentaram o jardim de infância, que sorte a deles ainda terem avós, e, passando tantas horas na escola, pensam que são votados ao abandono. O Bruno, mal entrou na sala, no primeiro dia chorava que nem um perdido. Tive de me colocar de cócoras para que os meus olhos ficassem à altura dos dele.

- Quero a mãe, dizia ele.
- Oh Bruno! A  mãe não pode vir agora, está a trabalhar. -  E contei-lhe a história de um patrão malvado que despedia a mãe se ela fosse lá buscá-lo. Os outros ouviam atentos. Tudo o que seja história é bem vindo.

E o Bruno sentou-se. E trabalhou.
No dia seguinte houve novo choro. Perante o “quero a mãe” repeti a história do patrão malvado. Todavia,  devo ter-me esquecido de algum ingrediente mágico porque o Bruno, pouco convencido da maldade do patrão da mãe, veio várias vezes ao pé de mim repetir o pedido: “quero a mãe”.

Sentei-o e perguntei à turma se sabia o que era uma varinha de condão. Lembrei-me do Duarte, quando estive em Chelas: “Uma varinha de condão serve para fazer nascer coisas” disse ele.

- Eu vou arranjar uma varinha de condão e quando o Bruno quiser a mãe, eu “PIM” e a mãe aparece. A turma ria e o Bruno também.
 
De manhã traz a bola na mão e os livros na mochila. À tarde, mete a bola na mochila e vem-me dizer que os livros não cabem. Arrumamos os livros na mochila e colocamos a bola num saco de plástico. Ainda chora pela mãe e eu pego na varinha, colher de pau forrada com papel metalizado dourado e estrela na ponta e tento várias vezes a magia, revelando humildemente a minha falta de jeito para ser fada.
 
- Tu queres ver que são as pilhas Bruno!
 
Ele ri-se e pára de chorar. Mas é na cumplicidade de arrumar a mochila e ter sacos de plástico de reserva para ele guardar a bola que eu vou conseguindo que ele vá gostando de estar na escola. E de mim.
 
 
Leonoreta
 

publicado por leonoreta às 21:24

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sexta-feira, 21 de Setembro de 2007

Fragmentos dela, dele e às vezes dos outros (14)

- De que cor é a tua lingerie? – perguntou ele.

Ela ficou surpresa pela pergunta e sorrindo respondeu:

- É branca.

- É sempre branca?

- Não necessariamente. Às vezes é azul clara. Às vezes é creme. – ela baixou os olhos para brincar com o copo vazio, rodando-o sobre a mesa.

 

Ele ainda bebia o copo de leite e comia o bolo. Àquela hora da tarde ainda não tinha almoçado, dissera ele.

 

- De algodão? – ele engolira o último bocado de bolo.

- Porquê de algodão?

- Lembrei-me… vestes essas roupas meio hippies…

 

Era uma pastelaria um pouco antiga, familiar, meio escondida numa esquina entre duas ruas de um bairro ligeiramente movimentado. Ele acendeu um cigarro e alguém lhe pediu lume. Ela continuava a sua brincadeira com o copo mas agora olhava para ele.

 

- Dormes de pijama?- continuou ele ao mesmo tempo que expelia o fumo do cigarro.

- Eu o quê? – ela ria  incrédula com as perguntas que ele lhe fazia.

 

Ele esperava pela resposta com um ar falsamente sério, cofiando a barba grisalha que lhe dava um ar tão sedutor.  Ela demorava a resposta, divertida e envergonhada ao mesmo tempo.

 

- Estou a gostar muito de estar aqui a conversar contigo. – disse ele – mais do que da primeira vez.

 

Também ela estava a gostar. Tanto como da primeira vez.

Leonoreta

 

tags:

publicado por leonoreta às 19:04

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

Vivo com um fantasma

Desde sempre que vivo com um fantasma. Quando eu era pequena pensava que ele me queria apanhar e levar-me para o mundo dele. Andava sempre atrás de mim envolto naquele nevoeiro frio que me gelava os ossos por estar sempre tão perto. Eu dormia de luz acesa para não lhe perceber a sombra; de cabeça tapada para ele não me ver e de porta aberta para poder fugir se ele me agarrasse. De manhã, quando acordava, verificava se ele tinha mexido nas minhas bonecas.

 

Contudo, ele nunca me fez mal. Passados tantos anos ainda continua comigo. Já não anda sempre atrás de mim como antigamente mas nunca se afasta totalmente. A sua presença é mais constante quando se aproxima a noite e a sua névoa ainda me esfria o corpo. De manhã, quando acordo vejo que mexeu nos meus livros. Por vezes, deixa alguns caídos no tapete abertos nalgumas páginas a fim de me chamar a atenção para algumas palavras.

 

Hoje pouco dormi. Acordei a meio da noite e com ele vagueei de mãos dadas às escuras pelo quarto até de manhã. Nunca falamos mas eu sei o que ele pensa e o que espera de mim. Levei algum tempo para percebê-lo. Ele usa-me para escrever. Hoje quis que eu escrevesse sobre ele.

Leonoreta


publicado por leonoreta às 13:28

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

Sexta-feira, 7 de Setembro de 2007

Os quatro Efes de defesa

Temos no cérebro uma estrutura subcortical situada no sistema límbico, no lobo temporal, chamada amígdala.

 

Por coincidência, esta estrutura tem o mesmo nome de outras estruturas, de forma  arredondada,  localizadas na garganta que, acredita-se,  sirvam para ajudar a evitar infecções.

 

A outra amígdala, a do cérebro,  tem uma função diferente. Ela analisa automaticamente os perigos de uma situação e alerta-nos para esses perigos a fim de darmos uma resposta airosa.

 

Vou dar um exemplo: entro no metro. Está apinhado de gente. Pessoas comprimidas umas contra as outras. Odores nojentos dos sovacos empestam o ar que se respira.

 

De repente, entra um leão fugido do jardim zoológico. A amígdala daquelas pessoas age rapidamente e numa corrida precipitada largam as carruagens em direcção à saída mais próxima. Atropelam-se pois! Mas isso que importa? Já se atropelavam antes de haver algum leão que as ameaçasse.

 

Porém, a minha amígdala, perante tal situação, quer alertar-me mas tem alguma dificuldade em fazer-me sair de um estado de apatia forçada devido ao congestionamento físico a que fui sujeita. Apesar de tudo lá consegue pôr-me a pensar nos quatro EFES teorizados pelos neurologistas ingleses.

 

Fujo? (Flight)

Não consigo. Estou petrificada (Freeze)

Luto? (Fight) Sim, claro. Se para fugir é demasiado tarde, então luto com o leão. Afinal eu tenho um curso de domadora de leões: calma, que o bicho é manso, penso eu.

 

Vejo o leão avançar na minha direcção. Arregalo os olhos. Um som fininho, contínuo, invade os meus ouvidos. Desmaio (Faint).

 

Acordo no hospital. Não tenho ferimentos. O leão não me quis pelo cheiro nauseabundo da minha roupa por andar em transportes públicos às cinco da tarde.

 

 Leonoreta


publicado por leonoreta às 16:21

link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds