Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

Cessar hostilidades

Ontem, enquanto esperava pelo sono já deitada na minha cama, pensei numa introdução muito bonita para começar este post. Como não a apontei, esqueci-me. Bem me dizia o professor Carrola: Escreve. Escreve tudo porque a nossa memória é selectiva.

A nossa memória só lembra do que ela quer, e ainda por cima, algumas vezes ou a maior parte das vezes, lembra-se quando não queremos lembrar.

Quando me deparo com uma pessoa interessante, tenha ela a idade que tiver, colo-me a ela. Exploro-a no sentido de satisfazer a minha curiosidade intelectual, de lhe achar afinidades que joguem com as minhas numa procura de “ah, afinal ainda há gente que é do meu clube”.

Falava com a Maria, sei lá a propósito de quê, quando descobri que ela também lia e, obviamente, gostava de ler.

- Conheces Mário Bennedetti? – perguntou-me ela.

- Não.

- Tens que ler “A trégua”.

 

Ah! Já me lembro do que falávamos, eu e a Maria: de rotinas.

 

Ganhei o hábito de ler emprestado. Acho os livros caros. Mas não é por isso que eu não gosto de pagar por eles. Os meus amigos gostam de me emprestar livros. E eu habituei-me a não comprá-los. Quando mos emprestam é como se mos dessem e quando os olho arrumados nas prateleiras da minha estante lembro-me de cada um deles, consoante o livro em questão: a Fernanda, a Maria, a Isabel, o Gordo. É uma mania que implica a companhia presente quando ela não está ou não se faz, pela distância de ritmos diferentes impostos pela vida.

 

- Eu trago-te o livro. Tens de o ler. – disse-me ela.

 

Desconfiei do apelido do autor. Desconfiei da capa. Apenas o título me induziu a experimentar a visão da primeira página. O diário de um homem que está a pouco tempo da reforma, que tem um trabalho fastidioso onde os números imperam. A relação dele com os seus dias, com as pessoas que moram e trabalham com ele. Um diário simpático, melancólico, mas bem humorado, de alguém que desejaria outra coisa para si mas que não foi possível.

 

De alguma forma vejo-me nos defeitos e nas qualidades do narrador tal é o modo como ele escreve para chegar-se a mim.

 

A trégua, cessação temporária de um destino obscuro em que deus se dispõe dar um pouco de felicidade ao narrador para depois fazê-lo continuar  num destino ainda mais obscuro que o anterior.

 

Quantas tréguas me deus este ano? Assim de repente… a memória falha.

Ofereceram-me neste natal uma agenda muito bonita rosa e amarela de um plástico macio e brilhante que apetece trincar. apontarei nela, desde o primeiro dia do ano, as suspensões temporárias de hostilidades, os instantes de alívio que eu mereço.

Leonoreta


publicado por leonoreta às 18:46

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

Fragmentos dela, dele e às vezes dos outros (18)

Era outra vez Natal. Quando ela era pequena gostava do Natal. O Natal era-lhe sinónimo de prendas. A mãe colocava-as junto da árvore à medida que elas iam aparecendo lá em casa. Esta é da tia para o pai. Esta é da mãe para ti. Ela não abria nenhuma caixa. Sempre fora obediente. Além disso, gostava de ver os embrulhos de papel vistoso e fita larga e torcida, mas numa curiosidade quase mórbida queria saber antes do dia destinado ao desfazer dos laços o que lhe tinham comprado. Nunca abria uma caixa mas instigava a mãe de modo sistemático, insistentemente. De que cor é? É quadrado? Tem cabelos? Diz a primeira letra. E agora quantas letras tem?

A mãe trocava-lhe as voltas mas o que ela queria era o soslaio do olhar, o passo em falso no sorriso.

 

- Dá-me uma prenda de Natal. Faz-me um desenho. – disse ele.

- Não é fácil fazer um desenho. Para mais, eu não sei desenhar. – disse ela.

 

Ela desenhava como as crianças. Todos os seus traços eram naif. Contudo, ela fê-lo.

Uma clareira no meio de uma floresta, um céu azul sem nuvens. Apenas três pássaros ao longe. Ele e ela de frente um para o outro, sentados no chão,  na partilha de uma merenda.

 

Ele olhava o desenho.

 

- Não vais pendurá-lo por cima da mesa de cabeceira? – perguntou-lhe ela ironicamente.

 

- Nota que não te vou fazer uma crítica,  apenas uma constatação.  É sem duvida um espírito infantil o que preside ao desenho.  Adoptaste o Universo das crianças porque constitui  um espaço de fuga.   "A arte da fuga"  é uma constante nos artistas que só varia no modo e nas preferências.  Imaginário infantil e até a própria arte de não dizer mas, sugerir, como acontece nos teus textos,  faz me lembrar o Pessoa quando diz:  "a arte é uma confissão de que a vida não basta".   A ti não só não te basta como ainda por cima te aflige. 

 

Ela ouvia-o de sobrolho franzido. Um dia quis experimentar saltar para a vida e para as pessoas numa transparência de fazer doer. Quando quis retroceder era tarde demais.

Leonoreta


publicado por leonoreta às 15:46

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007

Alma inquieta

Ana estava deitada a todo o comprimento do sofá de barriga para cima e de perna traçada. Segura um livro com ambas as mãos à altura dos olhos. Num primeiro contacto com o livro fazia uma leitura na diagonal, demorando-se um pouco mais nos primeiros parágrafos deste ou daquele capítulo cujos títulos se mostravam mais sugestivos.

 

Leonor, alma inquieta,  ziriquitava por ali querendo conversa.

 

- Estou a lembrar-me de uma parábola… aquela do mestre e do discípulo em que o discípulo não ata o cavalo e o cavalo foge… sabes qual é? – pergunta Leonor.

 

- Não. – responde a Ana, continuando a sua leitura.

 

- Sabes sim! … Aquela em que o discípulo deixa o cavalo sozinho e o mestre diz-lhe “tinhas que o ter atado”… esqueci-me… não sabes?

 

- Não.

 

- Eu sabia… agora já não me lembro muito bem, mas havia um mestre e um discípulo que tinha um cavalo que o deixou fugir porque não o atou durante a noite… bom, isto para concluir que…- as parábolas têm uma moral não é?  - existem entidades superiores que te ajudam mas que só podem ajudar-te se fizeres metade do serviço porque lá na dimensão onde elas existem não podem fazer laços para o cavalo não fugir ou preencher o totoloto para ganhares o totoloto. Percebes?

 

Ana já sabia que muitas das perguntas da Leonor eram retóricas e por isso não respondeu. Ela tinha o costume de falar alto para arrumar ideias soltas. Era uma espécie de arrumar livros na estante pelas grossuras da lombada.

 

- … daí que o discípulo tinha que ter atado o cavalo para que deus não permitisse que ele fugisse. Já te lembras ? – continuou Leonor.

- Não. – Ana passava agora os olhos pelo índice remissivo.

Leonoreta


publicado por leonoreta às 20:06

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds