Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008

A culpa é do remador

 

Quando ingressei na universidade, logo na primeira aula, uma das muitas professoras que iria ter durante os quatro anos que durou o curso, disse-nos, a mim e aos meus colegas: “Escolheram educação. Em educação as coisas mudam todos os dias.”
 
Pensei que a professora estivesse a exagerar. Afinal, passados alguns anos, constato que tinha razão.
 
E contudo o que muda exactamente em educação?
É a forma ou o conteúdo?
As duas coisas ou nenhuma delas?
Ah! Agora poderia dissertar sobre o assunto até não saber mais o que dizer. Mas não vou por aí.
 
As mudanças espalhafatosas lembram-me sempre uma história que passo a contar.
 
Com a finalidade de estreitar os laços entre duas empresas, sendo uma delas portuguesa e outra japonesa, foi decidido realizar-se anualmente uma prova de remo.
 
Na primeira competição, os japoneses destacaram-se desde o primeiro instante. Chegaram à meta em primeiro lugar. A equipa portuguesa chegou uma hora depois.
 
A direcção portuguesa reuniu-se para analisar os resultados de tão desastrosa derrota e concluiu que a equipa japonesa era composta por um chefe de equipa e dez remadores enquanto que na equipa portuguesa havia um remador e dez chefes de equipa.
 
No ano seguinte, a equipa japonesa destaca-se mais uma vez chegando em primeiro lugar à meta. Desta vez a equipa portuguesa chegou duas horas depois.
 
A direcção reúne novamente e constata que a equipa japonesa possui um chefe de equipe e dez remadores enquanto que a equipa portuguesa, com as medidas tomadas após o fracasso do ano transacto, era constituída por um chefe de serviço, dois acessores da gerência, sete chefes de secção e um remador.
 
Pelo que se concluiu por unanimidade que o remador era um incompetente.
 
 Leonoreta

publicado por leonoreta às 19:36

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

Ralhar não dói

 

Ensino as vogais, as consoantes, os ditongos, as unidades, as dezenas e as centenas, o “e vai um”, o corpo humano.
E penso… como é que eu aprendi isto tudo? Quero dizer… que método usou a minha professora para me ensinar essas coisas? Porque nessa altura ainda não se falava no lúdico. A didáctica era feita basicamente a reguadas. Estas não eram anti pedagógicas e quem as levou parece exibir uma espécie de orgulho por tê-las levado. Não ficou trauma.
 
Em quatro anos de escola primária levei uma reguada. Injustamente. Deixei cair um lápis a meio de uma explicação da professora.
 
A régua tinha usos muito abrangentes. Além de controlar comportamentos desviantes, de distinguir classes sociais, era também o “apoio educativo” e o “ensino especial”para dificuldades de aprendizagem.
 
Ainda bem que a régua desapareceu dos estabelecimentos escolares pelo seu uso indevido.
 
Contudo, verificando-se actualmente que houve um salto da indisciplina para a violência na escola, que afecta bastante a relação pedagógica, algo mais será preciso que o simples sermão porque ralhar não dói.

publicado por leonoreta às 19:09

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 4 de Outubro de 2008

Escrever também cansa

 

Quem corre por gosto não se cansa, diz o povo na sua sabedoria empírica.
 
Mas eu lembro-me das palavras de José Régio: “viver também cansa”.
Logo, correr também cansa. Mesmo que seja por gosto.
 
Esta conversa toda para dizer que, apesar de ter feito aquele trabalho, dito de carácter científico, ao qual dediquei um ano de leituras especificas e de escritas afins (perde-se o jeito às metáforas) com gosto (e alguns desgostos) estou cansada.
 
Não consigo escrever nada. Não arranjo assunto.
Apenas passo os olhos pelo que vocês escrevem.
De modo que… espero que os pingos de chuva de Outono me tragam alguma inspiração.
 
Leonoreta

publicado por leonoreta às 20:49

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds