Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

fragmentos dela, dele e às vezes dos outros. (17)

Ou era o chão que estava torto ou era a estante que estava coxa.

Quando ela puxou um livro que teimava em não sair de entre o aperto de outros livros, a estante oscilou para a frente e a caixa de cartão enfeitada de flores rosa onde ela guardava  fotografias soltas caiu da ultima prateleira  e todo o seu conteúdo se espalhou pelo chão.

Fotos analógicas, em papel brilhante e papel baço, do tempo em que não se pensava em digital. Algumas tinham escritos o local a data por trás. A maior parte delas tiradas com a sua máquina kodak oferta dos pais quando fez doze anos. Automática, sem velocidades e sem aberturas.

- Olha para mim!- gritou ela com a máquina apontada para ele. Ele olhou e ela disparou.- agora tira-me uma a mim!

- Encosta-te ao canhão para apanhar parte do Paço pelas ameias do castelo. – disse ele.

Depois alguém lhes tirou uma foto juntos mas no meio de tanta foto solta  ela não achava essa. Ficou a olhar aquelas duas, perguntando se lá no céu ele estaria a ver as fotos com ela.

 

Leonoreta


publicado por leonoreta às 14:04

link do post | comentar | favorito
|

7 comentários:
De António a 1 de Dezembro de 2007 às 13:53
Querida Leonor!
Um pequeno mas valioso texto em que misturas os tempos e os lugares, a realidade, o sonho e a ficção sendo o resultado francamente positivo e um pouco insane.
Um ensaio de "non sense"!

Beijinhos


De sophiamar a 1 de Dezembro de 2007 às 20:30
Olá, Amiga!
Vou passar a comentar aqui . Li o post e gostei, como sempre. A estante, o aperto dos livros, proporcionaram-lhe uma viagem ao passado. Sinal de vda! Só quem está vivo o pode fazer. Ou talvez não! Estaria ambos a recordar? Nnca o saberemos! O que sabemos é que o tempo passa e os testemunhos ficam.
Beijinhosssss mil


De heretico a 1 de Dezembro de 2007 às 22:37
certamente que sim. somos fotos uns dos outros...


De almapater a 1 de Dezembro de 2007 às 23:55
Estava. As gangas eram esbranquiçadas na mesma, mas mais do uso, menos da pré-lavagem. Até faziam uns “blazer’s” que eram cintados, com golas largas e compridas, e um só botão que se insistia em usar apertado. As calças, que esmagavam as coxas e o que por ali se atrevesse, sobravam de amplitude e largueza, sobre os tacões intermináveis que imitavam os “slade”. As militâncias obrigavam, nos intervalos de fumos mais perfumados, a sorver 3 vintes, por alternativa ao tão obreiro português suave sem filtro. Trauteava-se o “camonfilthenoise” e os tufados cabelos de anos de ausência de tesoura, ficavam mais tufados nos clichés a preto e branco. Mergulhavam-se entre abraços febris e nervosas mãos escondidas, no banco de trás de um velho 600 de portas ao contrário, e carroçaria remendada a tábuas e cartões.
No céu ou na terra, no mar ou no ar, com ou sem horizonte, não há cegueira nem vento, nem dor nem tormento, que levem ou roubem as visitas a essas fotos.


De leonoreta a 2 de Dezembro de 2007 às 09:23
vejo almapater, que pela sua memoria da moda da epoca andamos pelos mesmos aniversarios.
já nao me lembrava do unico botao que obrigatoriamente gostavamos de trazer abotoado. mas de repente tambem me lembrei que nuunca levantei a gola do meu blusao a laia de elvis presley.
beijinhos


De lena a 8 de Dezembro de 2007 às 18:30
Leonor amiga linda

vi essas fotos, caíram nas minhas mãos e a saudade bateu

seja em que tempo for, mesmo a preto e branco, ou já gastas de cor, acredito que as viu

abraço-te muito, com muito carinho

beijinhos, sei que gosto muito de ti


lena





De pedro alex a 12 de Dezembro de 2007 às 17:17
Vou-te contar um pequeno segredo:
Quando gosto, sinto que gosto, seja lá o que for, não interpreto, repito.
Repito-te sem interpretar.
Em complemento, agora, lembrei-me que em tempos idos, os ateliers de fotografia retocavam com cor as fotografias dando um ar da sua graça ao preto, cinzas e branco.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds