Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

fragmentos dela, dele e as vezes dos outros

De um segundo para o outro, o céu ficou mais cinzento e ela apressou o passo quando sentiu os primeiros pingos de chuva a molharem-lhe o rosto.

Atravessou descuidadamente a passadeira sem se preocupar com o trânsito e entrou de rompante na pastelaria. Chocou à entrada com uma senhora que ia a sair e pediu desculpa. Sentou-se numa mesa vaga ao acaso, respirando fundo a fim de acalmar as palpitações cardíacas.

O empregado de mesa aproximou-se e ela pediu um chá de limão que a sua constipação pedia urgentemente.

Enquanto se dispunha a esperar pelo pedido começou a observar quem estava na pastelaria. Foi quando reparou nele, sentado mesmo na frente dela. De perna traçada, cotovelo apoiado na mesa, fumava cachimbo olhando a rua imerso nos seus pensamentos.

O empregado trouxe-lhe o chá e ela tomou-o em pequenos goles. Beba muito chá, disse-lhe o médico.

Falo-lhe? Pensou ela. Ele podia não se lembrar dela ou fazer que não se lembrava e ela iria ficar embaraçada. Restava-lhe pedir desculpa pelo engano e pelo incómodo.

Ela olhou para a rua. Já tinha parado de chover. Entretanto, já tinha acabado de tomar o seu chá. Chamou o empregado e pagou a despesa. Levantou-se, ajeitou a mala no ombro e passou por ele sem olhá-lo.

- Continuas a deixar a iniciativa para os outros? - perguntou ele.

Ela sorriu. Ousadamente sentou-se na mesa dele sem ser convidada.

- Temia que não me reconhecesses. – disse ela.

- Impossível.

Conversaram o resto da tarde.

Leonoreta

 


publicado por leonoreta às 16:12

link do post | comentar | favorito
|

10 comentários:
De heretico a 19 de Janeiro de 2008 às 19:43
esperemos que conversa bem "produtiva". e já agora em local ainda mais acolhedor...


De António a 20 de Janeiro de 2008 às 09:26
Um reencontro, querida Leonor!
Muitas vezes são tão importantes...

Beijinhos


De Yuri a 20 de Janeiro de 2008 às 20:58
Encontros e reencontros na roda da vida...


De meldevespas a 21 de Janeiro de 2008 às 14:43
Fez-me crescer água na boca, como se costuma dizer. ;D
Vamos saber o que conversaram? O que têm em comum? O que perderam? O que ganharam?

beijinho e boa semana


De lena a 21 de Janeiro de 2008 às 20:22
querida Leonor, doce amguinha

já não sei onde te ler, se aqui ou ali. bem mas sempre vou trilhando caminhos e acabo por te encontrar. sabe bem ler-te e este "fragmentos dela, dele e as vezes dos outros" tem algo de especial. o reencontro.

é bom reencontrarmos alguém que há muito não vemos, alguém que nos diz algo

a chuva, o chá de limão e a presença de um ele. escreves tão bem que os consegui sentir ali ao lado na mesa do café...


abraço-te muito, com carinho, abraço-te com força para te sentir

beijo meu

lena



De pedro alex a 23 de Janeiro de 2008 às 18:44
Pois Leonor, sei lá eu mais o que te diga?
Estes teus fragmentos remexem-me, dá-me vontade de ir neles, segui-los incondicionalmente para o que desse e viesse, tomá-los de assalto e terminá-los à minha maneira.
Lê-los, resulta numa experiência que perdura.
bj


De heretico a 24 de Janeiro de 2008 às 21:59
beijos


De Daniel Aladiah a 25 de Janeiro de 2008 às 16:34
Querida Leonor
Talvez devesses publicar as tuas short stories.
Ena! Já viste as horas? Contigo o tempo passa e o teu cheiro levarei comigo.
Um beijo
Daniel


De sophiamar a 27 de Janeiro de 2008 às 09:27
Mais um post que se lê de um trago , da primeira à última palavra.Uma escrita fluente, um tema do quotidiano tratado com o afecto que nos faz reler. Um reencontro que é/foi muito mais do que isso. O coração palpitou e a minha memória recuou no tempo.
Foi bom!

Beijinhosssss


De alexiaa a 29 de Janeiro de 2008 às 12:45
As vezes fico “zangada” contigo…estava tão bom de ler e pimba, o fim que não termina porque a minha imaginação pega no que leu e anda imenso tempo a divagar:)
Porque seria impossivel não a reconhecer?
Enfim…beijos!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds