Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

Quem é esse Freud?

Tenho a mania dos parágrafos grandes. Perdão. Tinha.
Eco, tirou-me as peneiras quando a páginas tantas de Como Se Faz Uma Tese, me diz:
- Olhe, não escreva à Proust com parágrafos que nunca mais acabam. Use orações simples: sujeito, predicado e ponto final.
 
Detive-me a olhar para o professor, a reflectir naquilo que me estava a dizer.
 
- Já não estou a perceber nada. Ficaste a olhar para ele? Mas tu conheces o homem? – perguntou-me uma colega quando comentei o facto com ela. Nem respondi.
 
Quando abro um livro raramente o leio. Gentilmente, as frases feitas de palavras ou as palavras feitas de letras se antropomorfizam na minha frente. O autor ou a autora tomam forma humana.
 
Vai daí, meti mãos à obra. Revi o meu trabalho ou, como diz a minha orientadora “o nosso estudo”, de uma ponta à outra à outra. Ora bem, feitas as contas… setenta páginas… mais dez pontos finais em cada uma… deu um acrescento de setecentos pontos finais.
 
- Professor, veja bem o medo que já me incutiu.
- À laia de Freud, isso que se manifesta em si não é medo, é mais um complexo de Édipo latente na sua escrita. – disse-me o Umberto.
- Ah! Não me diga professor. E já agora quem é esse Freud de quem eu nunca ouvi falar dele.
 
Leonoreta

publicado por leonoreta às 20:13

link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De almapatar a 5 de Abril de 2008 às 01:57
Cada ponto final, é um final de ciclo. Um final de afirmação. Um final de respiração. Cada ponto final, é um degrau na imensa escadaria da exposição opinativa, Cada ponto final, feito métrica, é a extensão freudiana do objecto da aprovação paterna, essa medalha feita conquista de afectos e preferências. Se cada ponto for um centímetro, quanto mede o seu desejo de aprovação? O orientador que faça os cálculos. Como qualquer publicitário, ele entenderá, que fora do mundo delirante do sonho, ele como qualquer publicitário, é um exagerado.
Beijo cara.


De António a 6 de Abril de 2008 às 14:47
Querida Leonor!
É giro ter o Umberto Eco como professor?

Beijinhos


De Arte por um Canudo a 7 de Abril de 2008 às 23:40
E já agora um José Saramago. Bom professor para as pausas.Quanto não seria poupado nessa pontuação.Força. Bjs


De pedro alex a 8 de Abril de 2008 às 17:46
As tuas também se antropomorfizam na minha frente. E vejo-vos, a ti inocente, ao Umberto espantado pela tua questão.
É um prazer Leo!
Bj


De heretico a 8 de Abril de 2008 às 21:08
Proust, Freud?

decididamente andas em "más companhias"... rsss


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds