Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

É bom tomar café

Numa das muitas vezes em que o corpo docente toma café na sala dos professores, meti-me na conversa de duas colegas minhas como é defeito do meu à vontade.
 
Falava-se de história de Portugal.
- Inês de Castro é a minha personagem histórica preferida. A história dela é a parte mais bonita da nossa história – disse uma colega.
Arrematei à queima - roupa.
- Mas isso foi tudo inventado por Camões. De facto o amor de Dom Pedro e Dona Inês não foi assim tão romântico. 
 
Vi o espanto no seu estado puro nos olhos da minha colega.
- Não acredito! – disse ela, esperançada que eu dissesse que eu estava a mentir.
- É verdade! Camões estudou em Coimbra. Namorou muito na Fonte das Lágrimas. Tinha imaginação, sabedoria, e deu um toque de ficção à história. Penso que foi muito bem conseguido. Depois o povo adoptou o romance dos dois monarcas como verdade e passou-o à realidade mas não passa de uma lenda.
 
- Não acredito! – continuava ela, ouvindo-me desconfiada.
 
 
- É verdade. Nas Lendas e Narrativas de Alexandre Herculano, um grande historiador, muito honesto...tão honesto que foi excomungado pela Igreja por dizer que João das Regras falseou a subida ao trono de João I na crise da sucessão de 1385, Dom João que era um dos bastardos nascido de uma outra relação de Dom Pedro com outra mulher ao mesmo tempo que namorava Dona Inês… não se encontra nada relativo à veracidade dos factos dos dois amantes. – eu falava depressa, olhando-a na sua incredulidade, divertindo-me a provocar o fanico.
Provoquei uma ruptura de conhecimento. É bom tomar café com as colegas. 

 

 


 Leonoreta

publicado por leonoreta às 20:10

link do post | comentar | favorito
|

8 comentários:
De António a 19 de Abril de 2008 às 13:51
Será que o café te converte numa "desmancha -prazeres", Leonor?
ah ah ah
Um bom texto!

Beijinhos


De mac a 19 de Abril de 2008 às 15:01
Não tens vergonha de destruir uma das maiores histórias de amor? És uma desmancha prazeres :-))


De alexiaa a 19 de Abril de 2008 às 15:19
Sinceramente aqui deste lado deu-me um fanico, não estava nada a precisar dum desencantamento desses:).
Gosto da forma “seca” como terminas ou não os teus textos.

Beijinho, vou agarrar-me à ficção e transpor o Romeu e a Julieta para uma realidade que me dá imenso jeito!


De almapater a 19 de Abril de 2008 às 15:41
Cara. A questão, não é a objCara. A questão, não é a objectividade do reporte ao facto histórico. (todos os descritos são contestáveis, sem esforços , nem empenhos excessivos) Nuclear, é a essência. Não da história, mas sim do seu texto. E o que ele diz, é que as manhãs de sábado, mesmo que a olhos fechados o filme se faça de sol quente, e croissants dourados em aromas de café fumegante, o relevante, não são os lençóis ainda mornos, nem a promessa de harpas celestes tocadas a dois, mas a irrespirabilidade do ar pejado de dolorosas (e solitárias) travessias nocturnas.


De leonoreta a 19 de Abril de 2008 às 17:35
boa tarde almapater
gosto muito de ler os seus comentarios pelo caracter hermetico que apresentam, constituindo um desafio a minha capacidade de interpretaçao.
por aquilo que eu percebi, penso que prefiro as coisas faceis mas e mentira. ha em mim uma atracçao irresistivel pelo que e trabalhoso.
beijinhos


De Jorge Santos a 20 de Abril de 2008 às 01:35
Pronto! Lá se foi a linda Inês posta em sossego, dos seus anos colhendo doce fruto...:)
Beijinho.


De mixtu a 21 de Abril de 2008 às 22:53
yayaya
és tan má...
a colega... a acreditar que é possível morrer por amor e agora vai ter que apenas viver...
abrazo</a> serrano


De pedro alex a 22 de Abril de 2008 às 15:58
Embora se diga que de Espanha nem bom vento nem bom casamento, o facto é que sentimos um fraquinho pelas dignas representantes do sexo feminino do país vizinho.
Dom Pedro não fugiu à regra e Camões idolatrou-a.
Eu, ibérico convicto, deixo-me ir nas palavras do Camões e duvido das tuas, que embora verdadeiras não me convêm.
Bjs



Comentar post