Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Fragmentos dela, dele e à...

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007


Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

Fragmentos dela, dele e às vezes dos outros (18)

Era outra vez Natal. Quando ela era pequena gostava do Natal. O Natal era-lhe sinónimo de prendas. A mãe colocava-as junto da árvore à medida que elas iam aparecendo lá em casa. Esta é da tia para o pai. Esta é da mãe para ti. Ela não abria nenhuma caixa. Sempre fora obediente. Além disso, gostava de ver os embrulhos de papel vistoso e fita larga e torcida, mas numa curiosidade quase mórbida queria saber antes do dia destinado ao desfazer dos laços o que lhe tinham comprado. Nunca abria uma caixa mas instigava a mãe de modo sistemático, insistentemente. De que cor é? É quadrado? Tem cabelos? Diz a primeira letra. E agora quantas letras tem?

A mãe trocava-lhe as voltas mas o que ela queria era o soslaio do olhar, o passo em falso no sorriso.

 

- Dá-me uma prenda de Natal. Faz-me um desenho. – disse ele.

- Não é fácil fazer um desenho. Para mais, eu não sei desenhar. – disse ela.

 

Ela desenhava como as crianças. Todos os seus traços eram naif. Contudo, ela fê-lo.

Uma clareira no meio de uma floresta, um céu azul sem nuvens. Apenas três pássaros ao longe. Ele e ela de frente um para o outro, sentados no chão,  na partilha de uma merenda.

 

Ele olhava o desenho.

 

- Não vais pendurá-lo por cima da mesa de cabeceira? – perguntou-lhe ela ironicamente.

 

- Nota que não te vou fazer uma crítica,  apenas uma constatação.  É sem duvida um espírito infantil o que preside ao desenho.  Adoptaste o Universo das crianças porque constitui  um espaço de fuga.   "A arte da fuga"  é uma constante nos artistas que só varia no modo e nas preferências.  Imaginário infantil e até a própria arte de não dizer mas, sugerir, como acontece nos teus textos,  faz me lembrar o Pessoa quando diz:  "a arte é uma confissão de que a vida não basta".   A ti não só não te basta como ainda por cima te aflige. 

 

Ela ouvia-o de sobrolho franzido. Um dia quis experimentar saltar para a vida e para as pessoas numa transparência de fazer doer. Quando quis retroceder era tarde demais.

Leonoreta


publicado por leonoreta às 15:46

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds