Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Fragmentos dela, dele e à...

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007


Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

Fragmentos dela, dele e às vezes dos outros (16)

Ela crescera a pensar que o amor acontecia e existia como nos contos de fadas. Para sem pre. Mas um dia constatou que o amor é  efémero e que os  príncipes são feitos apenas de letras.

 

A valorização daquele conceito mudara de  patamar, descendo um degrau. Quando a confiança chega a um determinado ponto onde já não há descoberta a relação sofre o processo inverso à da construção.

 

Logo ela  substituíra o amor pela amizade, cozinhando relações em banho Maria.

Mas, um dia alguém lhe dissera que este sentimento tão cómodo era a desculpa para a falta de iniciativa e aceitação de novos riscos.

 

Os amores são efémeros. Os amigos não são eternos.

Questionou-se sobre a necessidade desses dois conceitos  isentos de sentido, esperando sempre que as suas respostas não fossem verdadeiras.

Leonoreta


publicado por leonoreta às 20:14

link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds