Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 13 de Julho de 2007

Todos os caminhos

No seu escritório, Leonor fita os dossiers abertos ao longo de todo o armário.  Tinham chegado ao fim. Ana vira as folhas pondo tudo de principio novamente para começar um novo ano que começará em Setembro.

 

- Por onde tens andado Ana?

- Eu tenho andado sempre por aqui. Sou uma pessoa de rotinas duras. Faço sempre tudo da mesma maneira sempre as mesmas horas.Quem quiser encontra-me sempre no mesmo lugar.

- Nunca mais te vi.

-Tu és assim, rsss. Easy come easy go.

 

Ana tinha aberto uma gaveta. Tinha começado a terapia das gavetas. Era bom descobrir coisas das quais já não se lembrava mais.

 

- Há quanto tempo não te sentas à janela, descansando os olhos no verde? – perguntou a Ana.

 

- Imenso.Parece que foi ontem. As coisas mudam à velocidade da luz. Em dez anos as coisas mudaram tanto…

- Arrependida?

- Não é arrependimento… é … é pensar que não deviam ter acontecido…

- Mas aconteceram.

- Que algumas coisas aconteceram sem eu esperar.

- A maior parte das vezes é assim.

- Que se não tivessem acontecido…

- Nada teria sido diferente.

- Porquê?- perguntou Leonor curiosa.

- Existem vários caminhos para chegares ao teu destino mas todos vão lá dar.

 

Ana coloca um cd no gravador. A música começa a tocar.

 

“Lord of the Ages came one night…”

 

- Há quanto tempo não ouves Magna Carta?- perguntou a Ana.

- Imenso.

 

Leonor abriu a janela e olhou para o jardim em frente. Estavam alguns galhos da velha árvore caídos no chão derrubados pelo vento.

- Não te preocupes. Estão outros a crescer..- disse a Ana - a natureza sabe o que faz.

Leonoreta

 


publicado por leonoreta às 14:10

link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds