Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 7 de Setembro de 2007

Os quatro Efes de defesa

Temos no cérebro uma estrutura subcortical situada no sistema límbico, no lobo temporal, chamada amígdala.

 

Por coincidência, esta estrutura tem o mesmo nome de outras estruturas, de forma  arredondada,  localizadas na garganta que, acredita-se,  sirvam para ajudar a evitar infecções.

 

A outra amígdala, a do cérebro,  tem uma função diferente. Ela analisa automaticamente os perigos de uma situação e alerta-nos para esses perigos a fim de darmos uma resposta airosa.

 

Vou dar um exemplo: entro no metro. Está apinhado de gente. Pessoas comprimidas umas contra as outras. Odores nojentos dos sovacos empestam o ar que se respira.

 

De repente, entra um leão fugido do jardim zoológico. A amígdala daquelas pessoas age rapidamente e numa corrida precipitada largam as carruagens em direcção à saída mais próxima. Atropelam-se pois! Mas isso que importa? Já se atropelavam antes de haver algum leão que as ameaçasse.

 

Porém, a minha amígdala, perante tal situação, quer alertar-me mas tem alguma dificuldade em fazer-me sair de um estado de apatia forçada devido ao congestionamento físico a que fui sujeita. Apesar de tudo lá consegue pôr-me a pensar nos quatro EFES teorizados pelos neurologistas ingleses.

 

Fujo? (Flight)

Não consigo. Estou petrificada (Freeze)

Luto? (Fight) Sim, claro. Se para fugir é demasiado tarde, então luto com o leão. Afinal eu tenho um curso de domadora de leões: calma, que o bicho é manso, penso eu.

 

Vejo o leão avançar na minha direcção. Arregalo os olhos. Um som fininho, contínuo, invade os meus ouvidos. Desmaio (Faint).

 

Acordo no hospital. Não tenho ferimentos. O leão não me quis pelo cheiro nauseabundo da minha roupa por andar em transportes públicos às cinco da tarde.

 

 Leonoreta


publicado por leonoreta às 16:21

link do post | comentar | favorito

11 comentários:
De beta a 7 de Setembro de 2007 às 18:13
LOOL!
Andar de metro pode ser muito stressante...
Se passar por sete rios vai-me dar um ataque de pânico por causa deste post! :D

E quem diria que cheirar mal pode ser benéfico à saúde? :p

Gostei muito :)


De dumb a 8 de Setembro de 2007 às 11:00
Houvessem leões em Coimbra e poderia ver se a tua teoria resulta:)

Acho que os bilhetes de metro autocarro e afins deveriam trazer um frasquinho de desodorizante:P


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds