Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 21 de Setembro de 2007

Fragmentos dela, dele e às vezes dos outros (14)

- De que cor é a tua lingerie? – perguntou ele.

Ela ficou surpresa pela pergunta e sorrindo respondeu:

- É branca.

- É sempre branca?

- Não necessariamente. Às vezes é azul clara. Às vezes é creme. – ela baixou os olhos para brincar com o copo vazio, rodando-o sobre a mesa.

 

Ele ainda bebia o copo de leite e comia o bolo. Àquela hora da tarde ainda não tinha almoçado, dissera ele.

 

- De algodão? – ele engolira o último bocado de bolo.

- Porquê de algodão?

- Lembrei-me… vestes essas roupas meio hippies…

 

Era uma pastelaria um pouco antiga, familiar, meio escondida numa esquina entre duas ruas de um bairro ligeiramente movimentado. Ele acendeu um cigarro e alguém lhe pediu lume. Ela continuava a sua brincadeira com o copo mas agora olhava para ele.

 

- Dormes de pijama?- continuou ele ao mesmo tempo que expelia o fumo do cigarro.

- Eu o quê? – ela ria  incrédula com as perguntas que ele lhe fazia.

 

Ele esperava pela resposta com um ar falsamente sério, cofiando a barba grisalha que lhe dava um ar tão sedutor.  Ela demorava a resposta, divertida e envergonhada ao mesmo tempo.

 

- Estou a gostar muito de estar aqui a conversar contigo. – disse ele – mais do que da primeira vez.

 

Também ela estava a gostar. Tanto como da primeira vez.

Leonoreta

 

tags:

publicado por leonoreta às 19:04

link do post | favorito

De almapater a 22 de Setembro de 2007 às 01:46
Que mergulho! O que é admirável nela, é essa intuição tão segura, que deixa claro e inequívoco, que não há nem subjugado, nem sublimado, um naco de sexo, na inesperada abordagem dele. Por ali, só há um grito de intimidade, uma constatação de cumplicidade, uma comunhão que se faz da pureza dos algodões brancos, dos cetins cinzentos acianados, e dos nylons cor de carne. A extensão do olhar, mesmo quando perdido em noites de trevas escuras que nem breu, faz-se na alvura do linho, aqui ou ali, maculado de estopa (que importa, a pureza é sempre pura), mesmo que o assunto, seja cuecas a corar.

Ele não é mau tipo, ela é sublime. Comidos a colher de café. Aos fragmentos.


De leonoreta a 22 de Setembro de 2007 às 09:47
ola almapater
é provavel que a ideia de algo para além de... tenha sempre pairado na cabeça de ambos. Contudo, sempre fora dos parâmetros banais, comuns, optando pela pureza de caminharem de mãos dadas, como diz.
beijinhos


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds