Tudo o que eu escrevo é de improviso. Um improviso pensado.

.posts recentes

. Reforço positivo

. Tenho rezado todos os dia...

. Relembrando Eça

. Marx avisou

. Onde arranjar metáforas?

. Esperar é uma virtude

. Aprender uma língua

. A culpa é do remador

. Ralhar não dói

. Escrever também cansa

.arquivos

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

Cessar hostilidades

Ontem, enquanto esperava pelo sono já deitada na minha cama, pensei numa introdução muito bonita para começar este post. Como não a apontei, esqueci-me. Bem me dizia o professor Carrola: Escreve. Escreve tudo porque a nossa memória é selectiva.

A nossa memória só lembra do que ela quer, e ainda por cima, algumas vezes ou a maior parte das vezes, lembra-se quando não queremos lembrar.

Quando me deparo com uma pessoa interessante, tenha ela a idade que tiver, colo-me a ela. Exploro-a no sentido de satisfazer a minha curiosidade intelectual, de lhe achar afinidades que joguem com as minhas numa procura de “ah, afinal ainda há gente que é do meu clube”.

Falava com a Maria, sei lá a propósito de quê, quando descobri que ela também lia e, obviamente, gostava de ler.

- Conheces Mário Bennedetti? – perguntou-me ela.

- Não.

- Tens que ler “A trégua”.

 

Ah! Já me lembro do que falávamos, eu e a Maria: de rotinas.

 

Ganhei o hábito de ler emprestado. Acho os livros caros. Mas não é por isso que eu não gosto de pagar por eles. Os meus amigos gostam de me emprestar livros. E eu habituei-me a não comprá-los. Quando mos emprestam é como se mos dessem e quando os olho arrumados nas prateleiras da minha estante lembro-me de cada um deles, consoante o livro em questão: a Fernanda, a Maria, a Isabel, o Gordo. É uma mania que implica a companhia presente quando ela não está ou não se faz, pela distância de ritmos diferentes impostos pela vida.

 

- Eu trago-te o livro. Tens de o ler. – disse-me ela.

 

Desconfiei do apelido do autor. Desconfiei da capa. Apenas o título me induziu a experimentar a visão da primeira página. O diário de um homem que está a pouco tempo da reforma, que tem um trabalho fastidioso onde os números imperam. A relação dele com os seus dias, com as pessoas que moram e trabalham com ele. Um diário simpático, melancólico, mas bem humorado, de alguém que desejaria outra coisa para si mas que não foi possível.

 

De alguma forma vejo-me nos defeitos e nas qualidades do narrador tal é o modo como ele escreve para chegar-se a mim.

 

A trégua, cessação temporária de um destino obscuro em que deus se dispõe dar um pouco de felicidade ao narrador para depois fazê-lo continuar  num destino ainda mais obscuro que o anterior.

 

Quantas tréguas me deus este ano? Assim de repente… a memória falha.

Ofereceram-me neste natal uma agenda muito bonita rosa e amarela de um plástico macio e brilhante que apetece trincar. apontarei nela, desde o primeiro dia do ano, as suspensões temporárias de hostilidades, os instantes de alívio que eu mereço.

Leonoreta


publicado por leonoreta às 18:46

link do post | comentar | favorito

8 comentários:
De António a 29 de Dezembro de 2007 às 22:47
Querida Leonor!
A vida é feita de lutas e de tréguas.
Algumas lutas são ganhas, outras perdidas.
Algumas tréguas são retemperadoras, outras deprimentes.
Boa sorte para as tuas lutas de 2008!
E que tenhas muitas e repousantes tréguas.

Beijinhos


De leonoreta a 30 de Dezembro de 2007 às 15:26
ola antonio
obrigado pela tua visita sempre assidua.
as treguas podem ser deprimentes' entao? nao sabia.
beijinhos


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds